Apple pode abandonar processadores da Intel e usar chips próprios, diz Bloomberg

 

De acordo com a Bloomberg, a Apple está considerando largar os processadores da Intel, presentes em Macs há anos, e substituí-los por chips próprios, como o A6 e A6X presentes no iPhone 5 e iPad 4.

A Apple mostrou um interesse renovado em fazer chips recentemente. Em setembro, foi confirmado que o chip A6 no iPhone 5 é um chip personalizado, feito pela Apple a partir dos designs de referência da ARM.

No passado, a Apple fez pequenas alterações em núcleos pré-projetados da ARM, como o Cortex A9 ou A15. Foi um grande passo para a Apple. O chip tanto melhorou a eficiência de energia como aumentou o desempenho, e o A6X – que veio algumas semanas depois – também melhorou o desempenho gráfico. E os benchmarks do AnandTech mostram isso.

Outros benchmarks também mostram que a Intel já começa a ficar atrás em desempenho. Por exemplo, o novo Chromebook com chip ARM tem desempenho melhor que o modelo antigo, com procesador Intel Atom. Ainda está longe de chips Core i5/i7, mas a distância entre eles pode se fechar com o tempo.

A Apple parecia mesmo determinada em fabricar chips próprios depois que contratou Jim Mergard, designer de chips, que trabalhava na Samsung. Mergard passou 16 anos na AMD antes disso, e trabalhava no crescente interesse da Samsung em fazer seus próprios chips Exynos. Depois da contratação, rapidamente (e previsivelmente) surgiram relatos de que a Apple tenta se afastar dos chips da Samsung. Bom que a Apple, já em 2010, comprou uma empresa chamada Intrinsity que fabrica processadores ARM.

E há cerca de uma semana, Bob Mansfield voltou à Apple para consolidar todo o desenvolvimento de semicondutores e wireless em uma grande divisão de Tecnologias. Mansfield, de acordo com fontes da Bloomberg, tem se interessado em unificar as experiências iOS e OS X há algum tempo – mais do que o ex-chefe do iOS, Scott Forstall. Uma mudança para chips desenvolvidos pela Apple em todos os seus dispositivos provavelmente seria necessário para tal integração acontecer em um nível significativo.

Desde que a Apple mudou para chipsets Intel em 2006 (a mudança foi anunciada em 2005), com o Core Duo no novo iMac, a Apple tem colocado chips padrão da Intel em suas máquinas, do Core 2 Duo até as novas gerações do Core i5/i7. E apesar de alguns problemas, como quando a Nvidia (parceira da Apple) não conseguia fazer chips compatíveis para a série Intel Core por causa de um imbróglio no licenciamento, tudo tem caminhado muito bem para ambas as partes desde então.

No entanto, a Intel tem se esforçado para entrar na produção de chips móveis, mas seus chips Medfield não entregam a mesma eficiência da ARM para dispositivos menores. Além disso, há a notícia recente de que a ARM vai desenvolver um chip 64 bits; e teremos uma versão do Windows para rodar nele. Ou seja, a ARM é uma concorrente séria para a Intel.

Tem mais: como lembra Anand Shimpi na CNET, há um incentivo de preço em chips ARM. A Intel dita cuidadosamente os preços ao mercado, e seus processadores são mais caros. Por exemplo, o Core i3 mais simples custa US$113 (fabricantes devem pagar menos); enquanto isso, o chip Apple A6 custa US$17,50, segundo estimativa da iSuppli. E a Intel dita o ritmo da evolução do chipset com seu modelo tick-tock – avanços em um ano, incrementos em outro – o que talvez não agrade mais a Apple.

Chips ARM em Macs não são um rumor novo. Já vimos isso antes. Mas a diferença é que a Apple agora está fazendo seus próprios núcleos (com base em projetos de referência da ARM, mas ainda assim, proprietários da Apple).

Então, por que isso nunca aconteceu, e por que seria um trabalho enorme para a Apple se ela decidir mudar? Há algumas razões, mas principalmente esta: desempenho. John Brownlee, no Cult of Mac, listou no início deste ano diversos motivos para a ARM não substituir a Intel em Macs. O principal motivo: o desempenho de chips ARM simplesmente não chega perto dos produtos atuais da Intel.

O outro motivo: seria difícil o processo de migração no OS X, junto a todos os programas na Mac App Store e em outros lugares. A dor de cabeça na época em que o suporte a programas PowerPC foi removido, com o OS X Lion em 2011, já foi intensa.

Mas os recém-anunciados Cortex A50 prometem desempenho 3x superior. E como a Apple está diretamente envolvida na transição, isso pode ajudar na transição do software. De um jeito ou de outro, vale a pena uma rápida olhada nesta situação, para perceber como isso seria algo enorme para a Apple realizar – e como a empresa deve se sentir confiante se estiver seriamente considerando isso. [Bloomberg]

 

Fonte: http://www.gizmodo.com.br/apple-arm-intel-macs/#more-89505 Acessado em 06 nov 2012

administrador posted at 2012-11-6 Categoria: Notícias


Comentários / Dúvidas

(Ctrl + Enter)